Cursos

Google Analytics para iniciantes: curso gratuito oferece um panorama geral da ferramenta

Em uma das minhas primeiras entrevistas de estágio, lembro que tive que fazer uma prova com algumas questões relacionadas à função do trabalho (era uma vaga de Estágio em Social Media com foco em performance, se me recordo bem). “Escreva com suas próprias palavras o que é ‘bounce rate'”, pedia um dos itens da avaliação. Eu não fazia ideia do que fosse (estava no segundo período da faculdade e não tinha começado a estudar sobre social media e derivados), então tentei responder conforme a tradução me indicava: “deve ser algo relacionado a bater de volta, tipo um rebote”, pensei. Enrolei da maneira que pude, mas não foi o suficiente e perdi aquela vaga – justo, afinal eu não estava apto a exercer aquela função (embora fosse estágio e o ideal é que ensinem em vez de cobrar).

Alguns anos depois, quanto fundei o blog e comecei a me interessar por métricas (mesmo de mídias sociais), percebi que precisaria, em algum momento, aprender a mexer no Google Analytics. A pesquisa d’O profissional de inteligência de mídias sociais no Brasil já me indicava isso, nos últimos dois anos. Embora o meu fascínio por métricas tenha se esvairado razoavelmente desde então, a análise que fiz sobre os conhecimentos mais requisitados em vagas de mídias sociais só reforçou a ideia de que eu precisava, sim, aprender GA. Porque mesmo para quem não trabalha com métricas (mas com planejamento, por exemplo), é importante conhecer – mesmo que superficialmente – perspectivas de outras áreas (esse foi um argumento frequente no último Profissão Social Media). Se você trabalha ou quer trabalhar com métricas, GA é pré-requisito; mas se você trabalha ou quer trabalhar com planejamento, por exemplo, GA pode ser diferencial.

Para a nossa sorte, no começo deste ano o Google lançou através da Analytics Academy quatro novas versões de seus cursos gratuitos sobre Google AnalyticsGoogle Analytics for Beginners, Advanced Google Analytics, Google Tag Manager FundamentalsEcommerce Analytics: From Data to Decisions. Desses quatro, os três primeiros já estão disponíveis por completo em português – e o quarto deve ser disponibilizado a qualquer instante. Ou seja, tem para todo mundo: se você é iniciante como eu, o primeiro curso foi feito para você; se já tem certa experiência, o curso mais avançado recicla seu conhecimento e pode te apresentar novas funcionalidades; se já trabalha com analytics e precisa conhecer a Google Tag Manager (uma das ferramentas bastante citadas no meu levantamento), tem curso para você também; e se souber em inglês e trabalhar com e-commerce, o último é todo seu.

Eu escolhi fazer o Google Analytics para iniciantes porque, embora tenha certo conhecimento sobre métricas de mídias sociais e conceitos principais sobre o tema, a minha experiência prática com o Google Analytics é quase nula. Este blog, por exemplo, nunca teve instalado o código da ferramenta – isso por dois motivos: 1) porque eu nunca tive interesse em averiguar números para não ficar refém deles, uma vez que este é um projeto totalmente pessoal e, portanto, livre de quaisquer amarras; e 2) por simples preguiça – eu já instalei o código em outras empreitadas pessoais que tive na minha adolescência (mesmo sem saber mexer nem ver direito, só queria saber o número de visitas mesmo), mas nunca me veio a necessidade de fazer o mesmo aqui. Unindo o útil ao agradável, resolvi usar o curso para analisar o site (e o site para analisar o curso). E como foi?

Unidade 1 – Introdução

A primeira parte de um curso para iniciantes é exatamente o que se espera: o básico do básico. Antes de qualquer coisa, os instrutores Justin Kutroni e Krista Seiden primeiro buscam explicar por que mensurar rastros digitais são importantes. É óbvio que eles utilizam o contexto do Google e mais especificamente da ferramenta Google Analytics como exemplo, mas a explicação deles sobre o conceito de digital analytics é bem abrangente. O mais legal é que, depois de cada lição, eles ainda oferecem links e leituras complementares sobre o assunto discutido. Neste primeiro momento, por exemplo, recomendam um artigo do Think With Google sobre a jornada do consumidor na compra online e um glossário do próprio Google Analytics (em português!, essencial para quem está começando a estudar).

Depois de ensinar a importância de acompanhar os rastros digitais de possíveis consumidores e alguns conceitos básicos de digital analytics (a tradução seria algo semelhante a métricas/indicadores digitais), eles mostram como funciona o processo de coleta de dados do Google Analytics desde a implementação do código JavaScript num site até o modo como a ferramenta armazena as informações. É ótimo porque eles alinham a teoria (conceitos e discussões sobre analytics de um modo geral) à prática, já que estão também tentando vender o produto. A lição três, por exemplo, é totalmente dedicada à familiarização do aluno com o GA – e todas as partes básicas de configuração, desde gerenciamento de contas/vistas até permissão de usuários. Eles chamam a atenção para a importância de configurar bem todo o escopo, já que os dados coletados pela ferramenta não são recuperados em quaisquer problemas.

E uma das coisas mais legais está na imagem de tela que você vê acima. Em todas as unidades pelo menos uma ou dois lições eles disponibilizam uma possibilidade completamente interativa da ferramenta. Desta forma, o aluno consegue ver com os próprios olhos todos os passos necessários para executar o que está aprendendo no curso. Além da legenda em português, é possível também conferir a transcrição completa e devidamente dividida nos tópicos da narração no site de Ajuda do Google. Como cheguei a mencionar no Twitter, é como se eles pegassem na mão do aluno e dissessem: “vamos juntos!”. Achei realmente incrível. E, novamente, após de várias lições, ainda há indicações de leituras para maior e melhor compreensão do assunto e também da comunidade de discussão da Analytics Academy, onde profissionais mais experientes estão à disposição para tirar quaisquer dúvidas de novatos.

A questão da configuração é algo que merece realmente muita atenção. Na última lição da primeira unidade, você é levado por um passo a passo de como aplicar o filtro numa vista (a hierarquia da ferramenta é: conta > propriedades > vistas). O exemplo que utilizam é um filtro para excluir o tráfego interno, ou seja, para que – no meu caso – todas as minhas visitas (feitas através do meu notebook) ao blog não sejam registradas naquela visualização. Infelizmente por algum descuido eu inseri meu I.P. errado (eles mostram como achar o seu) e acabei perdendo essa configuração. Ou seja, agora todos os dados que tenho coletado do GA têm também procedência minha – e eu entro muito no blog, por motivos óbvios. Então é algo realmente muito importante e que eles alertam desde o início – uma vez processados, os dados não podem ser alterados.

Ao final de cada unidade há uma avaliação para testar seu aprendizado. O certificado do curso que recebemos ao final só é disponibilizado àqueles que obtiverem uma média igual ou maior que 80% das respostas corretas. Mas a avaliação é ótima porque, além de revisar o que aprendeu, você também relembra quais foram os temas importantes daquela unidade (caso tenha interesse em retomar para revisar posteriormente). Na primeira, por exemplo, aprendemos sobre como o Google Analytics funciona (por que ele é importante e para que ele serve); o que tem a oferecer aos negócios; alguns conceitos, definições básicas de atributos e estrutura hierárquica da ferramenta; e a aplicação de filtros e do código JavaScript.

Unidade 2 – Layout

Daqui em diante o foco na ferramenta só aumenta. Novamente somos apresentados ao modo de demonstração do curso, através de uma plataforma que nos guia por uma tour numa conta “fake” do Google Analytics. Assim conhecemos funções básicas como: o alternador entre Conta, Propriedade e Vista; o ícone de alertas; as configurações, comentários e ajuda; a pesquisa por relatórios, personalização e navegação. Também conhecemos os principais relatórios: tempo real, público-alvo, aquisição, comportamento e conversão. Já falei mas reitero o que disse: é muito bom ter a possibilidade de ver de perto como a ferramenta funciona, porque ela oferece várias funcionalidades e geralmente quem nunca usou fica perdido com tantas opções de execução. Não que todas essas opções sejam úteis e essenciais para o trabalho diário, mas é importante saber que elas existem e como alcançá-las.

Toda a unidade é dedicada a mostrar a plataforma, principalmente através da navegação pelos relatórios disponibilizados. Pouco a pouco você vai descobrindo as inúmeras operações que o GA te oferece, desde visualização ao cruzamento de dados simples ou mais complexos, aprendendo também algumas configurações básicas do relatório geral através de personalizações de atributos. Na última lição você ainda aprende como montar painéis (dashboards) relevantes para o seu trabalho – e descobre que há uma intensa produção da comunidade de usuários que já disponibiliza algumas possibilidades padrões no Google Analytics Solutions Gallery. Fica claro que o Google tem uma preocupação em mostrar que a ferramenta é bastante completa, para evitar justamente que as pessoas saiam da plataforma para fazer outras funções – desde a coleta, passando pela análise até a apresentação dos dados.

E ainda que esta unidade seja mais focada na ferramenta, ainda aprendemos alguns conceitos importantes que podem ser replicados às realidades de mídias sociais também. Finalmente aprendi, por exemplo, o que é taxa de rejeição (“a porcentagem de visitas em que o usuário acessou seu website e saiu sem interagir”), assim como revi o conceito da empresa sobre métricas (“os números em um conjunto de dados, geralmente relacionados com dimensões”), estas que são “um atributo de um conjunto de dados organizado para possibilitar uma melhor análise” – ou seja, pode ser comparado a uma categoria de análise (como se fosse uma etiqueta da informação para gerar insights). Abaixo compartilho um conteúdo disponibilizado pelo próprio Google sobre suas principais métricas:

Definições das métricas pelo próprio Google

  • “Sessões” refere-se ao total de sessões em determinado período.
  • “Usuários” refere-se ao total de usuários que visitaram o site em determinado período.
  • Exibições de página” refere-se ao total de exibições das páginas que têm o código de acompanhamento do Google Analytics para os usuários. Isso inclui as visualizações repetidas de uma única página pelo mesmo usuário.
  • “Páginas por sessão” refere-se ao número médio de páginas visualizadas durante cada sessão. Isso também inclui as visualizações repetidas de uma única página.
  • “Duração média da sessão” refere-se à duração média de uma sessão com base nos usuários que visitaram seu site no período selecionado.
  • Taxa de rejeição” é a porcentagem de usuários que saíram do seu site após visualizar uma única página sem realizar nenhuma ação adicional.
  • “Porcentagem de novas sessões” é a porcentagem de sessões de novos usuários do seu site no período.

Unidade 3 – Relatórios básicos

A terceira unidade é mais curta em termos de aulas (são apenas três), mas relativamente mais fica em termos de conteúdo – você conhece de perto os três principais (ou básicos, como o título da unidade indica) relatórios: Público-Alvo, Aquisição e Comportamento.

– Relatórios de Público-alvo: o foco deste relatório está, como o próprio nome já diz, no público (ou seja, nos usuários); pode ser acessado através de uma visão geral ou de usuários ativos; oferecem dados para compreender as características dos usuários, como o local de onde acessaram o site, o idioma dos seus sistemas de navegação e a tecnologia utilizada no acesso; destaque também para o relatório de comportamento, que te ajuda a compreender como os usuários estão navegando pelo website – o que é extremamente rico para análises de melhoria de usabilidade e interface (os conhecidos UI Design e UX Design); confira mais sobre esses relatórios neste artigo em inglês.

– Relatórios de Aquisição: aqui a atenção está no tráfego do website, ou seja, de onde/como surgem as visitas; esses dados são coletados pelo Google através de três níveis: medium (mecanismo que leva as pessoas ao seu site), source (especificações desse mecanismo) e campaign (especificações da sua divulgação do site); o medium pode ser organic (visitantes que chegaram ao site através da busca comum do Google), CPC (visitas por campanhas pagas), referral (visitantes que chegaram através de outro site), e-mail e none (pessoas acessando o site de forma direta); o source oferece, portanto, a URL específica do mecanismo que levou à visita, enquanto a campanha é para a mensuração de planos de divulgação de marketing; confira mais sobre esses relatórios nesta página.

– Relatórios de Comportamento: como já mencionei anteriormente, este relatório é útil para conferir os rastros digitais que os visitantes deixaram no seu site; como bem pontuado pelos instrutores do curso, muitas visitas não necessariamente indicam um bom resultado – é preciso conferir se esses visitantes estão fazendo alguma outra ação dentro do site, caso contrário, pode haver algum problema de expectativa x realidade; é aqui, portanto, que você pode conferir as páginas por onde os visitantes chegaram e por onde saíram, para pode otimizar a performance do site de acordo com o que você tem como objetivo para os usuários; confira mais sobre esses relatórios neste artigo em inglês.

O legal dessa unidade é que após cada vídeo sobre os relatórios há também um breve questionário sobre algumas das informações que foram passadas em aula, desta forma você consegue se manter atualizado com a enxurrada de aprendizados que poderia sobrecarregar o aluno e fazer com que ele acabasse esquecendo as questões mais importantes. Ainda assim, foi aqui o primeiro momento onde não gabaritei a avaliação final da unidade – simplesmente porque, como eu disse, embora seja mais curtinha, é muito conteúdo (e especificações, termos técnicos, etc.)!

Unidade 4 – Acompanhamento básico de conversões e campanhas

A quarta unidade possui lições dedicadas a algumas disciplinas de marketing digital e mídia, ou seja, estratégias e meios de divulgação de um conteúdo. Na primeira aula, por exemplo, você finalmente entende tudo que está por trás de um URL como este: http://simplymeasured.com/blog/how-to-gut-check-your-performance-against-competitors/?utm_source=mkto&utm_medium=email&utm_content=20170421-prospects&utm_campaign=newsletter. Cada um desses parâmetros é importante para contabilizar por qual advento o visitante chegou ao seu site – além de medium, source e campaign, já comentados aqui, há também content que é uma etiqueta de qual conteúdo específico foi utilizado para divulgar aquele link. Ainda há o parâmetro search, para buscas pagas.

Se você trabalha com mídias sociais muito provavelmente esse Campaign URL Builder deve ser um dos sites favoritos do seu navegador. Ele é essencial para que a mensuração torne-se mais apurada, para que o analista possa compreender de perto sobre o tráfego do site a partir de visitas externas. Para quem cria conteúdo, é também importante para medir o que tem respondido de melhor forma ou não – por exemplo, é possível saber se um post específico no Facebook está gerando mais tráfego do que outro post do Facebook com outra imagem, ou até mesmo outro post no Twitter, por exemplo. Recomendo “brincar” um pouco com a ferramenta “Criador de URLs” para campanha mesmo que você não tenha um site para mensurar os resultados, apenas para fixar melhor a lógica por trás de cada parâmetro. E eles também disponibilizam uma planilha de automatização bem bacana.

Fica bastante claro que o Google Analytics funciona como uma espécie de ferramenta de monitoramento dos websites, no sentido que sua função é monitorar os rastros digitais de todos os visitantes (e como tirar inteligência a partir disso). A função de metas, por exemplo, que aprendemos na aula 3, traz isso à tona: você pode estabelecer metas na própria ferramenta para verificar a efetividade das ações do visitantes no site; para além disso, o próprio GA cria um funil de ações (semelhante ao funil de marketing) para mapear onde o visitante possivelmente desistiu de completar a ação. De forma prática: na pesquisa do Relatório Brasileiro de Social Media, por exemplo, poderíamos aferir em qual página o usuário desiste de responder as questões. Isso pode indicar uma fadiga pelo questionário estar muito grande – e podemos trabalhar para melhorar isso.

Cada uma dessas metas é completamente personalizável para se adaptar às suas necessidades de trabalho. No curso eles usam como exemplo (desde o início) uma loja de e-commerce, então mostram como configurar essa meta a partir do objetivo de venda de algum item na loja online. Essa meta (do que queremos que o usuário alcance) pode ser medida através do Destino (página específica), Duração (tempo de acesso), Páginas/Visualizações (acesso às páginas numa sessão) e Eventos (ações específicas). Aqui eles já abrem caminho para o outro curso da Academy, o E-commerce Analytics: From Data to Decisions (disponível apenas em inglês). Mas ainda no curso para iniciantes você aprende o passo a passo, com a ajuda dos instrutores, como criar e configurar essas metas – um processo simples, mas que pode ser confuso caso você não tenha familiaridade com a ferramenta. Justin e Krista passam por cada um dos detalhes da configuração, para não deixar nenhuma dúvida.

Na última aula antes da revisão do curso você ainda conhece outra plataforma bastante popular da empresa, a Google Adwords, que é mais voltada para compra de espaço publicitário do que para a análise de dados, como o GA. Ainda assim é uma ferramenta bastante popular no mercado e há cargos específicos para “Analista de Adwords”, que, a meu ver, seria uma ramificação da ramificação da ramificação do profissional de mídia – afinal, é tudo, como falei, compra de espaço publicitário online. O curso não entra no modo de usar o Adwords, mas explica alguns conceitos fundamentais (que todo profissional que trabalha com internet deve saber) sobre essa ferramenta de mídia e principalmente mostra como fazer a interação com o Analytics. Também passa rapidamente (bem rápido mesmo) sobre a questão do leilão – que se refere justamente à compra de termos de busca do Google – e de remarketing – que se refere à reexibição de anúncios baseado no histórico do visitante.

Revisão do Curso

Vamos revisar o que aprendemos no curso Google Analytics para Iniciantes. Nós discutimos:

  • como digital analytics (métricas/indicadores digitais) podem ajudar seu negócio;
  • mostramos como o Google Analytics funciona;
  • e te guiamos no processo de como criar uma conta, instalar o código de rastreamento, e configurar diferentes vistas com filtros para teste.

Você também deve se sentir confortável com como navegar pelo Analytics, como compreender visões gerais e relatórios completos, além de como configurar dashboards e atalhos para rapidamente encontrar os dados que você precisa.

Esperamos que você também entenda como fazer análise basicas nos relatórios de Público-Alvo, Aquisição e Comportamento. Ao final, te introduzimos ao rastreamento de campanhas e como configurar metas para medir conversões.

Nós também te mostramos como integrar suas contas do Analytics e Adwords para rastrear e otimizar campanhas do Adwords.


O curso é muito bom mesmo. Como mencionei anteriormente, já tinha certa familiaridade com a ferramenta, mas apenas em “aprendizados” empíricos de projetos pessoais sem objetivo algum. O modo como eles te guiam pela ferramenta é incrível, com todo o cuidado possível para que o aluno não se sinta desafiado pelos inúmeros relatórios, métricas, dashboards, funções etc. Além disso, têm toda uma preocupação de também, aliado à prática, passar uma teoria fundamental para quem trabalha com mídias sociais ou marketing digital. Mesmo tendo certo conhecimento sobre o assunto, sinto que aprendi bastante. Depois de fazer o curso o maior desafio (em vários sentidos) é colocar tudo que aprendeu em prática. Não apenas por ter que enfrentar a ferramenta sozinho, mas principalmente para realmente colocar em prática os aprendizados e treinar – porque só assim se aprende.

Eu mesmo fiz o curso faz dois meses e provavelmente já esqueci várias coisas. Instalei o GA aqui no blog e tenho tentado acompanhar algumas coisas, principalmente para me manter atualizado no que se refere à ferramenta. Recomendo a todos que façam o mesmo. Façam o curso e depois procure um projeto pequeno e/ou pessoal para treinar sempre. O certificado que você recebe (caso tenha uma nota maior do que 80% a partir das avaliações feitas em cada unidade) é apenas simbólico, o importante mesmo é aprender e encontrar outras maneiras de mostrar que aprendeu – produzindo um relatório público, quem sabe. Daqui em diante você também pode procurar outros cursos mais avançados, com professores brasileiros que te mostrem algumas aplicações reais do mercado.

Tags:

2 comentários

  1. Interessante. Não sabia que o conteúdo já está em PT. Estou me devendo esse certificado de Analytics, mas só de pensar no número de certificações que quero fazer… hahahaha Vou colocá-los na listinha

    1. Eles divulgaram recentemente em português, Mabi! Eu achei o conteúdo muito bom e a didática do Google é excelente. Mas é isso, tenta se organizar aí se não a gente fica louco com esse oceanão de conteúdo. Abs e obrigado pelo comentário! 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *